quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Nunca é fácil se expôr. Organizar em palavras claras o que se esconde. Não é fácil se mostrar vulnerável. Ponderar os pontos fortes e fracos.
Há algum tempo falo sobre entrega, mas nada falei sobre o que entrego.
Sempre tive muitos sonhos. Servir a Deus, viajar neste serviço, conhecer lugares, estudar e ter independência. Mas também sempre sonhei em construir minha família. Mas não apenas uma família, e sim uma família que refletisse a graça de Jesus. Que fosse dEle.
Neste caminho, claro, haviam pedras.

Tive um relacionamento longo, mas cheio de idas e voltas, de incertezas. Haviam sentimentos, mas nossos pés caminhavam em sentidos opostos. Princípios diferentes. Lutas incompatíveis nas quais eu insistia. Descobri em mim mesma faces feias que nem sabia que tinha. Faces egoístas, grosseiras, amargas. Tive posturas ruins. Abri mão de desejos e também tentei impor outros. Mas eu havia feito uma declaração: meu amor por Jesus era maior do que meu amor por qualquer outro. Isso não implica tratar mal quem não concorda comigo, ou qualquer outra coisa negativa que alguém possa associar a essa fala. O amor não é o desejo de se ter inteiramente para si, mas de se ver feliz, ainda que não venha a ser segundo aquilo que desejamos.

E assim foi. A decisão de abrir mão de algo muito precioso, por amor aos planos que sei que Deus tem pra mim, e que são diferentes daqueles que o rapaz com o qual eu estava tinha. Foi uma decisão muito difícil, muito doída. Mas era o caminho para eu me permitir ser quem quero, e permitir que ele fosse quem queria. Sem minhas cobranças. Sem pesos que eu mesma colocava. Sem o sentimento de insuficiência que tanto me atormentavam, me feriam. 
E nesse processo de reafirmação do que eu sou, houveram muitas dúvidas, medos e noites frias. Horas agarrada ao travesseiro, lágrimas e pensamentos que martelavam até a dor do coração se tornar falta de ar, de chão. Me escondia do mundo, e me quebrava diante do meu criador. Reclamava. Tentava negociar. Até me render. 

Já faz um ano desde que escolhi, de uma vez por todas, deixar ir. E dia após dia, deixar ir a mochila pesada que tanto carreguei, até que fique só a amizade que já fez tão bem. Houveram muitas feridas que exigiram meu perdão. E também outras pelas quais eu precisei pedir perdão. Porque toda história tem dois lados. E é justamente por isso que guardei tantas coisas em meu coração, em vez de desabafar. Não é feio ter uma amizade com alguém com o qual o relacionamento não deu certo. Mas é péssimo falar mal de alguém que um dia já te fez bem, já quis te ver feliz. 

E gostaria de dizer que, se você também está em um dilema assim, não se apavore. Com o tempo as coisas vão ficar mais leves. Menos doídas. Mesmo que sua decisão seja incompreendida ou mal interpretada, saiba que nunca é certo fazer o outro ser o que não quer só para caber em um relacionamento com você. Isso é egoísmo e não podemos submeter ninguém a algo assim. Da mesma forma, não é certo abrir mão de tudo o que quer ser para caber na vida do outro. Se você quer viver por um propósito, não abra mão disso. E faça sem condenar o outro lado, porque o certo e o errado não estão na nossa opinião. E tenha certeza - o digo por experiência própria - que esse processo poderá te amadurecer em muitos aspectos.

Agora, oro para que Cristo possa curá-lo e fazê-lo feliz nas escolhas que ele toma. Nos caminhos divegentes aos meus, que encontre a multiforme graça daquele cujos caminhos são mais altos que qualquer outro que possamos escolher. E que seja grande, como o carinho e o aprendizado que ficou. E que eu possa vê-lo leve, assim como leve eu quero caminhar.

E é assim que sigo. Um passo de cada vez. Mudando uma coisa de cada vez. Me guiando pelos passos de alguém que já venceu o mundo inteiro, e agora caminha comigo. Aprendendo dia após dia sobre a suficiência que ele me dá, e no poder de quebrar e refazer meu coração, até que eu seja quem fui criada para ser.

E sei: o meu caminho com Cristo não tem mais volta. Eu não vou mais desistir. E enquanto ninguém me acompanhar nele, sei que Cristo continuará sendo suficiente, e continuará completando todas as coisas, em toda e qualquer circunstância (Efésios 1:23).

domingo, 1 de dezembro de 2019

O início do fim (do ano)

Todos os anos falamos o quanto o tempo passa rápido. E de fato, passa. Nos últimos anos sempre tive aquela sensação de que a vida escorria entre meus dedos, enquanto eu tentava equilibrar todo o meu mundo sem demonstrar o tamanho da impaciência e do desespero que me tomavam. Este ano, porém, pela primeira vez em muito tempo,  me gerou gratidão. De fato, sequer vislumbro muito do que desejo. Mas ainda assim, meu peito se enche de paz. De uma sensação de esperança pelo que ainda me espera. Sem pensar no quanto ou como, mas simplesmente confiando que o meu Deus está lá. Assim como está aqui e esteve antes.

2019 começa a se despedir. O último mês já dá as caras. Começa o fim, os últimos ajustes, as últimas provas e os novos planos para o ciclo que reinicia.
Li há um tempo a seguinte frase: "Você passa todos os anos pelo dia da sua morte, sem nem suspeitar qual ele é."
Pode parecer óbvio, mas você já pensou a respeito? Todos os dias caminhamos para o momento em que estaremos face a face diante do Criador de todas as coisas. Estamos cada vez mais perto, mas esquecemos disso. A vida é tão curta pra nós preocuparmos com tantas coisas.

De tudo o que os 31 dias nos trouxerem, o que mais desejo é uma: um coração sábio para viver a vida de forma grande, como grande é Aquele que a deu a mim. E que nenhum de nós tenha medo de olhar pra frente. Ele é capaz de fazer novas todas as coisas.

Que estes dias nos deem um fim bonito. E os começos e recomeços, ainda mais.
Porque Deus tem me ensinado que para cada ponto final, Ele pode iniciar um novo capítulo. Mas precisamos deixar a caneta nas mãos dEle. E confiar. Afinal, Ele é o maior autor que nossa história poderia ter.

2019, um belo fim pra você. Porque o realmente importa é como você termina. Termine bem.

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Vai ficar tudo bem...

A faculdade que você faz não é seu tudo. Tá tudo bem se você se esforçar mas não conseguir dar conta sempre. E, caso você reprove em alguma matéria, tá tudo bem também. Seu curso não é sua vida. Não é como se tudo fosse dar errado porque uma coisa deu errado.

Seu namoro não é a sua vida. Eu sei que é algo muito precioso, e o coração às vezes dói só de pensar em viver sem aquela pessoa. Mas a verdade é que ela não é tudo. Um relacionamento traz felicidade, mas não pode ser a base da sua vida. Se der certo só até um ponto, tudo bem. Ainda assim deu certo. Ainda assim te ensinou, te mudou. É bom lembrar com o coração grato por aquilo que foi bom. Pelo carinho que ficou.

Ter dinheiro não é tudo. Com o tempo a gente percebe que a melhor viagem da vida ainda não é melhor que o abraço da sua mãe, ou o café da tarde com seus avós. É legal ter roupas boas, um carro, e poder ir ao salão de beleza sempre que quiser. Mas o que você realmente vai lembrar daqui alguns anos é de como seu cachorro pulava em você ou cavava o seu quintal e sujava tudo. O cheiro da comida da sua mãe ou da bronca que seu pai sempre te dava. Daquela vizinha engraçada, da letra estranha do seu professor no quadro negro e da chuva que sempre caía no dia que você esquecia o guarda chuva. Você não vai sentir saudades do celular incrível que você teve, mas vai sentir saudade da risada do seu avô.

Então, tente não se estressar tanto com os prejuízos que você tem. Não se importe demais em gastar tanto com o que você não precisa de verdade.
Você vai se formar na faculdade, fique tranquilo. Você vai conseguir um emprego bacana. Você vai conhecer pessoas muito, muito legais.
Não fique se comparando o tempo inteiro. Sempre haverá alguém melhor que você no seu curso ou na sua profissão, assim como você sempre será melhor que alguém. Mas, calma. Não entre em uma competição.

O número que aparece na balança ou os elogios à sua boa forma não vão suportar sua auto estima enquanto sua mente ainda precisar da opinião dos outros.
É preciso dar a cada coisa a importância que ela merece ter.

As coisas vão se ajeitar. Olhe pra trás e veja o que você tem hoje, e que um dia foi só uma oração.
Você pode recomeçar. Todos os dias.
Você vai dar certo.
E vai dar certo no momento em que perceber que a sua felicidade não é um fim, mas se consolida um dia de cada vez.