sábado, 28 de julho de 2018

À espera das chuvas

Nasci numa cidade com muita umidade. Lá é normal chover semanas a fio. Tudo fica esverdeado, cheio de limo, de lama. Mas é claro que clima úmido traz inúmeros benefícios. Minhas tias que sofrem de asma que os digam! Mas desde que me mudei, tenho sentido falta dessas chuvas. Aqui chove no verão, mas o inverno é muito seco. Propício a queimadas acidentais, e - infelizmente - propositais (devido algumas pessoas com pouca consciência do mal que causam).

É bem diferente ver a vegetação seca por aqui. O verde da grama transformando-se em amarelo. As árvores sem folhas. O céu limpo e um sol que, apesar de bem ardido, não aquece os que estão à sombra. Todas as noites e manhãs são banhadas por um ar tão seco quando gelado, que só se esvai aos poucos, à medida que o céu se ilumina.

O vaporizador tem trabalhado todos os dias dentro de casa, para minimizar nossa dificuldade. A água da máquina de lavar umedece o quintal e assim vamos levando. Sei que em muitos lugares pessoas pedem trégua, mas aqui ansiamos há quase dois meses pela chuva.

A previsão para a próxima semana nos anima.
Aguardo com expectativa esse presente do céu.

Recordar é...

Voltar a essência.
Na verdade, recordar pode ser muita coisa. Mas hoje, pra mim, foi isso. Foi parar, foi ouvir, imaginar, apreciar. Essa música do vídeo sempre foi uma das minhas favoritas. Ela é uma oração, uma adoração, uma gratidão. E ela expressa exatamente o que eu quero.

"Eu quero me entregar
Eu quero derramar
A minha vida em Teu altar..."

Porque cada dia longe dele é um dia perdido.

sábado, 7 de julho de 2018

A hora certa

Vi esse vídeo pelo Facebook de uma amiga e achei incrível. Poucas e significativas palavras sobre comparação. Sobre sempre se sentir atrasado. Dois minutos que valem muito a pena.

"Não existe hora errada quando o compromisso é com a própria vida"